Efeito Borboleta


Evan Treborn(Kutcher) tem,desde a infância, bloqueios de memória em acontecimentos marcantes da sua vida.Numa tentativa de o ajudar,o psicólogo que o acompanhava em criança,aconselhou-o a manter pequenos diários sobre a sua vida. Agora adulto,Evan apercebe-se que,ao ler estes diários, pode voltar ao passado, vivendo e mudando certos acontecimentos. Mas, ao fazê-lo, Evan vai constatar as terríveis consequências destas mudanças.

"Efeito Borboleta" é um filme de 2004 que dividiu muitas opiniões.Se uns o consideram fraco, outros o acham fabuloso.É, portanto, daquelas fitas que ou se adora ou se odeia. Pouco antes de o ver,confesso alguma minha relutância na altura, devido a esta divisão tão grande de opiniões, e também outros factores como o facto de ser protagonizado pelo palhaço de serviço, Ashton Kutcher, alguém por quem eu não morro de amores. Assim, presumi logo que "Efeito Borboleta" não seria do meu agrado, certo? Errado!
Pois podem crer que adorei profundamente o filme. Achei-o fantástico, encantou-me, absorveu-me e convenceu-me por completo.Mas podemos começar por dividir "Efeito Borboleta" em duas partes.
A primeira, é uma visão sobre a infância do personagem principal. Muito bem feita, esta opção dos realizadores que é obviamente preferível a meia dúzia de flashbacks(até porque,devido à sua natureza, o filme já tem tantos), e que fazem com que o protagonista Kutcher apareça apenas com uma hora de filme. Mais do que uma mera introdução, esta é uma profunda análise sobre os acontecimentos mais marcantes da vida de Evan(que curiosamente se dão todos na infância,um dos poucos erros do filme), e as razões que o levam a ter o dom que tem e, sobretudo, as razões que o levam a utilizá-lo. Fecho esta parte referindo o excelente elenco juvenil que protagoniza a infância de Evan,com especial destaque para Jesse James, como o perturbado Tommy.
A partir daqui, vemos a idade adulta de Evan, ainda melhor construída. Aqui, podemos ver a intriga e a descoberta, numa primeira fase, e o desespero e angústia numa segunda. Um filme aparentemente de ficção consegue evoluir para um drama extremamente intenso, sem nunca deixar de captar com grande eficácia a atenção e interesse do espectador, muito em parte devido às constantes mudanças que o filme sofre. O argumento prima também por conseguir(ao contrário de muitos) tapar todos os seus buracos quando o filme acaba.
Há que referir ainda o único ponto comum nestas duas histórias, que é nada menos do que uma lindíssima história de amor entre Evan e Kayleigh(Smart).
No entanto,há que referir que o título do filme se encontra completamente inadequado,visto a fita representar precisamente o contrário:"efeito borboleta" é uma teoria que defende que, indepentemente do que façamos, o resultado final acaba por ser o mesmo.Já o filme "Efeito Borboleta" retrata que basta mudarmos um pequeno pormenor, para toda a nossa vida se alterar. Curioso, não?
O filme protagonizado por Kutcher tem ainda a particularidade de possuir quatro(possivelmente cinco) finais diferentes.O da versão que eu vi,é também o meu favorito, é aquele em que (SPOILER) os protagonistas se olham e seguem o seu caminho, separados(FIM DE SPOILER). Por isso, destaque para o excelente final, extremamente bem acompanhado pela canção "Stop Crying Your Heart Out", dos Oasis.Vejam-na aqui,é fantástica:

É tempo agora de falar do elenco, e dar a mão à palmatória, afirmando com toda a certeza que Ashton Kutcher tem uma interpretação muito boa. Agarra o papel na perfeição, e prova a todos(eu incluído) que, afinal, tem muito talento. Só tenho pena que não se envolva mais neste tipo de projectos, sendo "O Guardião" a única excepção.Também no mesmo patamar qualitativo está uma excelente Amy Smart. Destaque ainda para presenças muito boas, mas discretas, de Eric Stoltz e Melora Walters.

Para concluir, tenho apenas a dizer que "Efeito Borboleta" um filme fabuloso. É o primeiro(e o mais improvável), em algum tempo, a conseguir de mim uma nota tão elevada.
E não, não é um Guilty Pleasure. Este não...

4 Eloquentes Intervenções Escritas:

Fifeco disse...

É sem dúvida um filme surpreendente e sem qualuqer dúvida o melhor trabalho de Ashton Kutcher no cinema. Não é perfeito mas é muito bom de facto.

Abraço

Jackie Brown disse...

Para mim,foi uma enorme surpresa
nunca pensei gostar tanto

abraço

Thiago Mb disse...

É um filme ótimo e prova que Kutcher não é só um palhaço como você mesmo disse. Pena que as continuações desse filme sejam tão sofridas. :D abr

Jackie Brown disse...

não cheguei a ver as continuações.

um abraço thiago

Enviar um comentário

O autor deste blogue apresenta os seus agradecimentos pelo comentário e relembra que este beneficiará sempre de uma resposta, já que cada comentário é tido como imprescincível e nunca subvalorizado.

Related Posts with Thumbnails