The Departed:Entre Inimigos


"The Departed:Entre Inimigos", grande vencedor dos Óscares de 2006 e que conquistou, entre outros, o de Melhor Filme e Melhor Realizador para Martin Scorsese, é um verdadeiro fenómeno. Mas um que me transcende por completo, uma vez que não o considero nem tão pouco uma boa proposta, quanto mais um grande filme.

"The Departed:Entre Inimigos" tinha tudo, absolutamente tudo para funcionar: um grande realizador, um grande elenco e uma grande equipa técnica. Mas falha em quase tudo.
O argumento é lastimoso. Custa a crer que foi escrito por William Monahan, o responsável pela obra-prima "Reino dos Céus-Versão de Realizador", que desenvolve a relativamente interessante premissa da pior maneira, sustentando a trama à custa da violência e do elenco, sem acrescentar realmente nada de interessante. Não existe tensão, não existe adrenalina, não existe drama, não existem valores familiares definidos como nos é dado a crer, ou uma história de amor minimamente convincente. Existe pouco a contar e o resultado é uma filme apático, aborrecido e que roça o ridículo por diversas vezes (o final, por exemplo, é tão forçado quanto precipitado).

Martin Scorsese também não filma com especial mestria. Tem uns espasmos, aqui e ali, mas na maior parte das vezes limita-se a retratar sequência violenta e escusada atrás de sequência violenta e escusada. A opção de usar quase constantemente banda-sonora também não foi a mais feliz, conduzindo a um cansaço que era claramente evitável.

O elenco, sobretudo o principal, desilude igualmente. Leonardo DiCaprio está muito pouco seguro de si, fazendo lembrar o rapazinho de "A Praia" (crítica aqui). Não é um papel exigente e DiCaprio não tem uma boa interpretação.
Matt Damon vai pelo mesmo caminho. O seu personagem é claramente mais interessante, e exigia um carisma que o protagonista de "O Bom Rebelde" não tem e que tenta substituir por uma cara pateta e piadinhas de circunstância.
Quanto a Jack Nicholson, limita-se a fazer de Jack Nicholson. Longe vão os tempos em que cada personagem representava um desafio para o lendário actor (e consquentemente grandes interpretações) e, excepção feita ao Melvin Udall de "Melhor É Impossível" e ao Warren Schmidt de "As Confissões de Schmidt" (Crítica aqui), há muito que Nicholson não surpreende realmente.

Por outro lado, fiquei completamente rendido ao talento de Mark Whalberg. Como nunca mais o iremos ver, Whalberg agarra com todas as suas forças o difícil papel, e presenteia-nos com a melhor interpretação da fita, bem como a melhor da sua carreira e ainda uma das melhores de 2006. Justifica totalmente a nomeação para o Óscar de Melhor Actor Secundário e, refira-se, merecido. A beneficiar, em parte, do talento de Mark Whalberg está Alec Baldwin, que funciona como um excelente buddy e com quem protagoniza a melhor cena do filme.

No entanto, não há como o negar: "The Departed:Entre Inimigos" continua a ser uma tremenda decepção, e um filme cujo mediatismo me transcende por completo.


"-Fuck yourself!
-I'm tired for fucking your wife.
-How's your mother?
-Good, she is tired from fucking my fahter."

9 Eloquentes Intervenções Escritas:

Roberto F. A. Simões disse...

Já conhecia essa tua opinião e essa tua classificação. Por acaso da 1ª vez que o vi, talvez por depois de O AVIADOR estar à espera de outra coisa, também não gostei muito.

Não mantenho, contudo, a minha opinião, apesar de não ser - de todo - o meu género de filme.

Gostei das frases que escolheste para fechar a tua crítica. Rio-me sempre que as oiço.

P.S. - O AVIADOR, não sei se já o viste, mas ou muito me engano ou vais detestar!

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD - A Estrada do Cinema «

Flávio Gonçalves disse...

Sim, estou com o Roberto, acho que não vais gostar nada d'O Aviador. Quando a este, tenho-o aqui à minha espera mas nunca me agarrou muito a atenção...!

Abraço

Jackie Brown disse...

Roberto,

Não a alterei mesmo. Não há hipotese, não me agradou de todo.

LOL, as frases pertencem à melhor cena do filme :P

Quanto ao P.S., achas? Eu não vi ainda, mas será o próximo da lista e até estava confiante de que ia gostar. A tua crítica e o Golpe Quase Perfeito abriram o apetite :P


Flávio,

Tu também? :P Já estou a perder a vontade.

Quanto a The Departed, não acho um bom filme. Não sei se gostarás, creio que não.


Abraços!

aPAULOf disse...

Este filme prova a injustiça de Hollywood ao dar os oscars que deu e que glorificaram este filme, quando ele é na verdade um remake dum filme asiático que é em tudo superior (e onde até faz mais sentido).
Eu nunca atinei com este filme (contudo, acho a tua review demasiado contundente... o habitual) porque já conhecia há muito o excepcional "Infernal affairs", que até é a 1ª parte de uma boa trilogia.
Hollywood precisava de dar alguma coisa a Martin Scorcese (que no "Gangs..." por exemplo merecia bem mais e para recuperarem, ao primeiro que lhes apareceu mais a jeito... premiaram injustamente!
Enfim... é apenas um descarado remake e com isso até os truques de Hollywood aos filmes estrangeiros foram premiados.

Tiago Vitória disse...

Não quero ser mal interpretado, gosto imenso do blog e sei que este dará sempre lugar a linhas editoriais diferentes e distintas das que aqui são apresentadas.
Neste caso, acho um absurdo esta crítica a este filme, é descabido de qualquer argumento apresentado e parece revelar - apesar de eu não acreditar - num desconhecimento da forma de realizar do Scorsese e da dinâmica que ele emprega aos actores e à sua narrativa. Remeto-me para o "Taxi Driver", filme rodado quase sempre com a mesma música do Bernard Herrmann, acabando de uma forma completamente desproporcional face ao grande grosso narrativo do filme, não achando de maneira nenhuma, que tal como no "The Departed" seja nem aborrecido nem muito menos precipitado. Acho que o Scorsese consegue dar personalidade aos filmes que faz o que é bem diferente de não os saber fazer ou fazê-los mal feitos. Em relação à direcção de actores, o seu argumento é mais uma vez (e sem querer ser pretencioso) envolto num antagonismo atroz. No caso do Jack Nicholson acho até desrespeitoso falar dele como "limitar-se a ser ele",porque fazer simplesmente isso já acabava com a dubiedade da boa prestação do resto do elenco. Em relação ao DiCaprio, a análise da sua actuação pode suscitar dúvidas mas eu considero que esta crítica está a confundir a real prestação com o carácter da personagem, está sujeita ao contexto do seu papel que não permitia um alargamento de emoções que não fosse o medo, a incerteza e a violência como túnel canalizador de todo o nervosismo fúnebre da personagem de Billy. Em relação ao Matt Damon, já o crítico Peter Bradshaw (guardian.co.uk) disse que tinha sido uma das melhores performances da sua carreira e na minha singela opinião, não andou muito longe da realidade. Acho até que dão um contraste muito bom ao filme. É um filme que prima pela direcção soberba do Scorsese que, apesar de concentrar o climax muito no final, dá uma lufada de ar fresco ao género "mobster" com uma edição e montagem que, com cortes breves e dinâmicos, não deixou esbranquiçar a acção e a violência.
É peremtório dizer que este filme foi uma escolha da academia para o óscar portanto não sei se será legítimo adoptar uma face muito crítica sobre o filme, algo que os críticos de cinema geralmente tendem a fazer.
Compreendo que opiniões cada um tem a sua e devem ser respeitadas, eu como leitor e amante de cinema que sou, tentei só dar uma outra face deste filme. Continuação de um óptimo trabalho (;

Rui Francisco Pereira disse...

PAULO,

Já tinhas deixado um comentário semelhante (excepto a parte da crítica ser contundente, é assim tão habitual? :S) julgo que na ficha do GNY.

Não vi o original Internal Affairs, mas este The Departed foi uma desilusão daquelas.


Tiago,

Bem-vindo e obrigado pela bela intervenção.

Não responderei à sua totalidade, apenas porque tenho consciência que não conseguirei refutar todos os aspectos que referes, nomeadamente por não ter um conhecimento muito vasto da obra e do estilo de Scorsese.

Analisando o The Departed por aquilo que ele é, para mim, não tenho problemas nenhuns em classificá-lo como aborrecido, subdesenvolvido e até mesmo ridículo a espaços. É a minha opinião, que já vi o filme várias vezes.

Em relação ao elenco, e começando por Nicholson. Eu quando disse que Nicholson está igual a si mesmo, não quero necessariamente dizer que esteja mal. Mas não estar mal, também não é necessariamente estar bem. Ou muito bem.
Ou seja, repara por exemplo no exemplo de Morgan Freeman, que em filmes como O Cavaleiro das Trevas, Procurado e Nunca É Tarde Demais, fez practicamente o mesmo papel.

Trata-se aqui de um typecasting, e vejo este papel de Nicholson como isso mesmo. Não o achei nada indistinto.

Quanto a Damon e DiCaprio, admito que possam ambos ter sido prejudicados pela natureza dos seus personangens. Admito que talvez esteja a ser algo "obtuso" nesse ponto de vista, mas o facto é que não gostei de os ver no filme. Não foram interpretações que me dissessem muito, que me "excitassem" de alguma forma.

Enfim, penso que divergimos mas agradeço imenso o comentário e espero que voltes a comentar ;)

Tiago Vitória disse...

Quem agradece sou eu pela resposta, este é um blog que eu sinceramente gosto e pretendo ser leitor assíduo. O meu comentário assim tão acutilante foi pontual porque eu realmente gosto imenso do filme.
Voltarei com certeza (:
Muito obrigado mais uma vez e bons filmes ;)

Joana Sevilha disse...

Apesar de toda a acutilância que o Tiago usou, penso que este tem razão porque o filme é excepcional e no fundo, ganhou o óscar de melhor filme e melhor realização, penso que não foi por ter havido um "hype" muito grande à sua volta mas sim porque teve uma grande realização adjacente.

Gosto muito do seu blog, mas neste caso descordo da sua opinião.
Um muito bom dia :)

Rui Francisco Pereira disse...

Tiago,

Muito obrigado pelas palavras, espero ver-te por aqui mais vezes.
Também já dei uma olhada no teu blog ;)



Joana,

Não falei nunca em hype, mas em injustiça. Acho que Scorsese merecia o Óscar 100 vezes mais pelo Gangs de Nova Iorque ou pelo Aviador ;)

Obrigado pelas palavras ;)


Cumpriemntos a ambos

Enviar um comentário

O autor deste blogue apresenta os seus agradecimentos pelo comentário e relembra que este beneficiará sempre de uma resposta, já que cada comentário é tido como imprescincível e nunca subvalorizado.

Related Posts with Thumbnails